Palenque, maravilha do mundo maia

Jóia da arqueologia no México, Palenque é o mais importante conjunto de ruínas maias da América Central. Rivaliza, talvez, com Tikal, ali pertinho, na Guatemala. Mas hoje é consenso entre os arqueólogos que Palenque foi culturalmente mais importante do que Tikal, pela quantidade de expressões arquitetônicas, artísticas e religiosas encontradas ali desde que foi “redescoberta” por exploradores espanhóis que chegaram a Chiapas no século 16.

Vista geral da principal área arqueológica

Sob o comando de K’inich Janaab’ Pakal – Pacal, o Grande – seu governante mais importante, que assumiu o poder no ano de 603, Palenque viveu o auge da construções de edifícios inovadores. Um dos projetos mais impresssionates foi o hoje chamada de Palácio, com paredes e teto cobertos de argamassa feita com conchas moídas e cal, moldadas com figuras que representam as cerimônias e atividades dos governantes e dos deuses.

Ilustração mostra o filho de Pacal herdando o trono do espírito do pai

O Templo das Inscrições, a imensa pirâmide que domina a praça central de Palenque, também conta o dia-a-dia de quem governava os maias da cidadela. Sua importância não para aí. O edifício é um dos mais estudados do mundo maia, não apenas por ter uma função crucial – servir de monumento funerário para o rei Pacal – mas também por ter as incrições mais detalhadas e importantes já encontradas por quem pesquisa o mundo maia. Há, ainda, painéis esculturais dentro da tumba de Pacal.

Templo das Inscrições, tumba de Pacal

Há até bem pouco tempo era possível subir a escadaria que leva à entrada mais alta da pirâmide. Agora, está proibido. Primeiro, porque a respiração humana aumenta ainda mais a umidade na tumba, o que pode acelerar a degradação das inscrições. Segundo, porque muitas pessoas já se acidentaram nos degraus estreitos da íngrime subida.

Foto de Sheila Machado

Palácio dos Governadores, visto da praça cerimonial, com a Torre, à direita

Palácio dos Governadores por dentro. As estelas falam da captura de prisioneiros pelos guerreiros de Palenque

Dentro da ala de moradias do Palácio dos Governadores

Úmido em Palenque, sempre é. É área de selva e o sítio fica muito perto do rio Usumacinta. E a cidade chama tanta atenção dos viajantes justamente por isso. É uma experiência única andar pelas ruínas no meio da floresta. No inverno, faz uns 30 graus. No verão, prepare-se: mais de 40 graus e muita, muita umidade. Traga água e bastante filtro solar. O sol é inclemente.

Templo no Grupo de las Cruces

Palenque se estende por cerca de 15 km selva adentro e é dá para fazer algumas trilhas dentro do parque.

Na conta dos arqueólogos, até hoje foram descobertas 500 edificações. No entanto, apenas 34 foram excavadas até agora.

Neste vídeo, você tem a perspectiva de quem está no centro da praça principal. Vê-se o Palácio e sua torre, o Templo das Inscrições, o Templo da rainha Vermelha, o Templo de la Calavera e uma ceiba, a árvore sagrada dos maias:

Como chegar

A maneira mais fácil de chegar às ruínas é pegando uma Kombi, por menos de R$ 1,50, na cidade de Palenque, que surgiu depois da descoberta do sítio arqueológico. Muitos turistas – americanos e europeus – preferem não se hospedar na cidade, mas numa área de pousadas e campings no meio da floresta, entre Palenque cidade e Palenque ruínas. Chama-se El Pachán. Mas se você espera conforto, escolha hotéis maiores, na mesma estrada. Os quartos em Pachán são limpos, porém espartanos. Nem têm ar condicionado. As Kombis também passam por Pachán. O percurso da cidade até a ruína não demora mais do que 20 minutos. De táxi, dá uns R$ 10.

Palácio dos Governadores por dentro

8 Comentários

Arquivado em América do Norte

8 Respostas para “Palenque, maravilha do mundo maia

  1. Pingback: A colonial San Cristobal de las Casas « Com a mochila nas costas

  2. Pingback: Yaxchilán, a onírica rival de Palenque | Com a mochila nas costas

  3. Pingback: Em Bonampak, as mais sofisticadas pinturas pré-hispânicas das Américas | Com a mochila nas costas

  4. Lienne

    Olá, estou louca para conhecer esse lugar mágico, será que tu poderias me dar umas dicas em relação a compra de passagem, hospedagem e passeios?? Abraço, Lienne

  5. Cíntia

    Olá!
    Estou programando uma viagem para o México em julho e gostaria de passar por palenque e visitar as ruínas. Pretendo chegar em palenque pela manhã (mais ou menos umas 9:00h), visitar as ruínas e pegar um ônibus no início da noite destino a Cidade do México. Consigo realizar nesse tempo? Quais dicas você pode me oferecer?
    Obrigada!
    Cíntia

  6. Pingback: Grades e portais da Terra | A Luz é invencivel

  7. Pingback: Grades e portais da Terra | A Luz é Invencível

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s