Arquivo da tag: comida

La Pasiva: chivito e pancho para matar a fome no Uruguai

Quando você diz que está de malas prontas para Montevidéu, duas dicas costumam ser onipresentes: vá ao Mercado del Puerto e ao La Pasiva. O primeiro é um antigo mercado com vários quiosques de churrasco, orgulho do Uruguai. Imperdível mesmo. O segundo é uma rede de restaurante/lanchonete/choperia que tem dois sanduíches como atração turística: o básico e delicioso pancho, um cachorro-quente sem molho, só pão de leite e salsicha; e o chivito, um tipo de x-tudo que pode ser de filé, lombo canadense ou outros frios.

O La Pasiva de Ciudad Vieja

La Pasiva

“Ah, mas que graça tem em pão com salsicha sem molho?”, você diria. Pouca, é verdade. O pulo do gato do La Pasiva está num molho branco, que não é maionese, que os uruguaios usam no pancho como se o mundo fosse acabar. A receita é tão secreta que o molho nem tem nome, é apenas “la salsa”. Sozinho, tem um gosto bem estranho, ácido. Mas combina tão perfeitamente com a salsicha que fez do pancho do La Pasiva um clássico dentro do clássico que já é o cachorro-quente.

O pancho, em versão sem salsa...

 

... e com salsa

O chivito também é feito com um pouco dessa salsa no pão. Mas acho que não vale muito a pena acrescentar, como se fosse catchup ou mostarda. Aliás, no chivito nenhum molho precisa ser acrescentado – basta o pouco da salsa que já vem com ele. O pão é tostado, aí vem o molho, a carne, um ovo cozido e a salada. É, sem queijo. Não precisa de queijo. Não precisa de nada. É perfeito do jeito que é. E, completíssimo, vale por uma refeição!

Poderoso mata-fome

Close no chivito!

Fazendo a pesquisa para saber se o molho tinha mesmo um nome ou não, me deparei com a informação que tem La Pasiva na Argentina e no Rio Grande do Sul. Quero ir quando for a Porto Alegre! No site consta que o endereço é Av. Cristóvão Colombo, 545 – Shopping Total – Porto Alegre/RS.

Anotado.

(Não, este não é um post patrocinado. É um post de fã)

Anúncios

9 Comentários

Arquivado em América do Sul

Mercado del Puerto: água na boca

Para quem gosta de comer e beber bem, um dos melhores programas de Montevidéu é o Mercado del Puerto. Trata-se de um pólo gastronômico, em um mercado do século 19, em frente ao porto, com 14 pequenos restaurantes – na maioria, você terá que se sentar no balcão. Mas essa é a graça! Ver as carnes sendo assadas, as grelhas coloridas com os pimentões e queijos, dá ainda mais água na boca.

O mercado

Embora seja um local simples, os preços no Mercado del Puerto não são exatamente baratos. Mas também não são caros – depende do corte pedido. E a qualidade das carnes compensa, muito. São pesos uruguaios deliciosamente bem gastos.

Mãos à obra

Muita gente nos fins de semana

Clima beeem mais tranquilo durante a semana

O mercado fica lotado aos sábados e domingos. É quando os uruguaios fazem uns de seus programas preferidos: sentar com uma taça de medio y medio, jogar conversar fora e, quando a fome bater, partir para um corte de carne sempre suculento. Como na Argentina, geralmente a carne vem sozinha. Se quiser, pergunte se tem acompanhamento. Os cortes, entretanto, são tão bem servidos que eu acho que nem precisa. Basta o chimichurri.

A picanha com o medio y medio do Palenque, mais seco, e uma taça do Roldós, mais doce

O medio y medio é uma bebida típica do Mercado del Puerto. Aliás, em Montevidéu, só é possível encontrá-la nos quiosques. Quer dizer, tem para vender nos supermercados também, mas nos outros restaurantes da cidade, não. É uma mistura metade-metade (como o nome indica) de vinho branco suave e espumante. Uma delícia. Refrescante. A mistura não é feita na hora, vem em uma garrafa com a marca do próprio quiosque. E não se preocupe: você não precisa pedir uma garrafa, se estiver sozinho. Eles vendem por taças também.

Os medio y medio do Mercado del Puerto são os do bar Roldós e do restaurante El Palenque. O do Roldós é mais docinho e o do Palenque, mais seco. Gostei do primeiro para beber sozinho, como aperitivo, antes de comer. É um programa mesmo: sentar no balcão e ficar conversando e bebericando. Eu tomei o segundo nas duas vezes em que comi no Palenque e acompanhou picanha e carneiro. A maioria dos uruguaios iria preferir combinar a carne com vinho tinto, mas eu não queria perder a oportunidade de beber medio y medio. Achei que combinou, sim. Sabe quando combina contrastando, complementando? Foi assim.

E, sim, fui no Mercado del Puerto várias vezes. Bem no plural. Fiquei viciada. Fui lá todos os dias em que estive em Montevidéu. Fiz questão de almoçar lá sempre. E é a lembrança mais saudosa que tenho da cidade, das tardes de medio y medio e boa carne…

O Mercado del Puerto fica na esquina das ruas Piedras e Yacaré. É fácil achar, dá pra ver de longe. Apesar de ficar aberto nos fins de semana até as 21h, não é aconselhável andar por lá depois que escurece. O mercado fica numa área pouco movimentada da Ciudad Vieja, onde há muitos prédios abandonados e casos de furto nas ruas não são raros. Além disso, a maioria dos quiosques – todos, durante a semana – fecha às 16h. Então, nem vale a pena. É um programa para almoço, para passar a tarde. Um ótimo programa.

Fim de festa no Palenque

8 Comentários

Arquivado em América do Sul

Café da manhã, Yucatán style

A cozinha mexicana talvez seja a única das mais conhecidas que não me faça salivar. Até como, mas não gosto de abacate e coisas com milho – ou seja, a base dessa culinária. Nem de tequila eu gosto! Então, a hora das refeições no México era sempre complicada, o que também foi uma experiência nova para mim, que adoro comer.

O café da manhã, por exemplo. Dentro de resort, é ótimo, mas aquela coisa de sempre. Fora, pelo menos na península de Yucatán, é assim:


Feijão no café da manhã?

O pão de fôrma, manteiga e a geléia eu pedi à parte. Geralmente são só as tortillas com ovos rancheiros com bastante chilli, banana frita e os frijoles refritos ou, como mineiro chama, tutu.

Exceto pela sem graça tortilla Nada é ruim de verdade. Mas no café da manhã… só em dia de muita fome. E ressaca.

No dia-a-dia, as pessoas não comem isso tudo logo que acordam. Mas, para os padrões brasileiros, também não comem pouco. É uma cestinha de tortillas frescas com carne desfiada, de porco ou frango. E muita, muita pimenta. Nas paradas de ônibus, eu pedia um pacote de biscoitos ou daqueles pãozinhos prontos. Mas só eu comia isso.

Café

Já o café de Chiapas… esse sim é delicioso. Aroma e sabor maravilhosos. É como na serra de Chiapas é um pouco frio, eles têm um preparo especial de café, com especiarias, para esquentar. Uma das que consegui identificar foi cravo. Há outros sabores na xícara, mais difíceis de saber quais são.

Um bom lugar para tomar o café de Chiapas em San Cristolbal de las Casas é o Café Museo Café (MA Flores, 10). Como o nome diz, lá também funciona um museu que conta a história do cultivo do grão em Chiapas. A entrada para o museu  é US$ 1 e geralmente fica aberto entre 9h e 17h. O café em si funciona de 9h às 9h30.

Deixe um comentário

Arquivado em América do Norte